Impressão e essência (novo)

Webnode

ip0185_falsa_realidade.jpg image by eryroberto

Estamos vivendo em tempos calamitosos, tempos do fim. A sociedade encontra-se confusa em todos os âmbitos de suas vidas: social, mental, físico/material e espiritual. Muitos filhinhos de Deus estão se embriagando com a apostasia destes dias.

Muitos ainda vivem alienados e manipulados a consumir os ópios do mundo que a elite satânica os condiciona ingerir. Vivem ainda segundo a impressão (aparência) que vêem (que os manipuladores os induz a ver e aceitar como normal).

Não vivemos sem assistir uma TV (mesmo sabendo que ela nos engana), e então vivemos viciados com este ópio.

Vamos ver então, alguns exemplos do significado de Impressão e Essência:

* Impressão: Exemplo 1: Em uma novela de TV, a impressão que é passada é que aquilo que vemos é a realidade, a vida real.

                Exemplo 2: Estátua do “Cristo redentor”: A Impressão passada é que é a imagem do “Cristo” verdadeiro.

* Essência: Exemplo 1: A verdade da novela é que a história é uma mentira, que está sendo interpretada por atores em um cenário.

                Exemplo 2: Estátua do “Cristo redentor”: Aquilo nada mais é que uma escultura morta de concreto, aço e etc., que muitos oferecem culto.

Diante de Deus, também é assim, muitas vezes vivemos somente a impressão da religião cristã que foi fabricada durante a história.

Não vivemos a essência do evangelho, tendo Cristo como exemplo, mas vivemos a impressão, ou seja, a religião que é propagada em veículos de televisão, onde só visa o lucro e o orgulho humano. Vemos somente os “lucros” de viver o que a religião protestante nos manda. 

Quando observarmos a essência do mundo ao nosso redor (inclusive o “mundo evangélico”), não seremos enganados.

* Impressão: Religião, estruturas que elevam o orgulho humano, fórmulas para se “chegar até Deus” através de bugigangas e amuletos (cruz ou cajado de plástico, sabonete santificado, garrafa de água abençoada), vaidades e aparências religiosas, púlpitos de arrogância e soberba, ritualizações da vida com Deus, obrigações religiosas que Cristo não ensinou, mas que foram criadas pelos homens, então, crescemos e fomos ensinados que aquilo é o certo para alcançarmos uma vida com Deus. Engano!

* Essência: O evangelho de Cristo, viver realmente o que importa: As obras de Jesus – amor, compaixão, graça, perdão, misericórdia, e nada mais. É a essência de Cristo. É a cruz, a renúncia, mas não para ser uma carga insuportável, mas sim, vivermos cheios do Espírito Santo que nos conduz a viver em humildade, amor e longaminidade. Sem rancor, ódio e justiça própria.

Quando realmente deixarmos de viver pela impressão e vivermos pela essência, não seremos enganados nem pelas coisas do mundo e nem pela religião. Não vamos mais viver segundo as vaidades e aparências místicas religiosas de supostos “reinos de Deus” , vamos realmente viver o que Jesus nos ensinou, viver com o coração constantemente quebrantado e com temor. Sem balelas, barganhas, sem comercialização de bênçãos ou de salvação. Vamos realmente seguir a Cristo, vamos viver pela causa do evangelho, pela causa de Cristo.

 

Webnode