A ordem através do caos egípcio. EUA muda estratégia e mantém Mubarak

09/02/2011 01:23

http://5dias.net/wp-content/uploads/2011/02/Wisner01Big.jpgUm misterioso enviado americano, o diplomata aposentado Frank G. Wisner II, foi enviado às pressas para o Cairo em 31 de Janeiro no momento do movimento de protesto para reuniões de alto nível com Hosni Mubarak.

Frank G. e Hosni eram amigos próximos, amizade que remonta ao fim da década de 1980 quando Frank G. Wisner foi embaixador no Egipto (1986-1991).

Wisner actuou como embaixador na altura da Guerra do Golfo. Ele desempenhou um papel chave na negociação do acordo de 1991, o qual comprometeu o Egipto não só a participar na Guerra do Golfo contra o Iraque como também a preparar um conjunto de reformas macroeconómicas devastadoras sob a orientação do FMI.

Este acordo de 1991 foi ditado directamente por Washington e instrumentado através da Embaixada dos EUA no Cairo.

Frank G. Wisner foi enviado ao Egipto a pedido explícito do presidente Obama “para negociar uma resolução para o movimento de protesto”.

As suas discussões com o presidente do Egipto foram um prelúdio para o discurso de Mubarak na terça-feira 1 de Fevereiro , no qual confirmou que não renunciaria como presidente até a efectivação de novas eleições previstas pra o fim de 2011. Numa declaração pública, Wisner confirmou que deveria ser permitido a Mubarak permanecer no posto. A Casa Branca a seguir clarificou que isto não era um reflexo da política dos EUA e que a declaração de Wisner era feita a título individual.

As reuniões a portas fechadas entre Wisner e Mubarak fizeram parte de uma agenda da inteligência. Washington não tinha intenção de pressionar rumo a uma resolução do movimento de protesto. A sua prioridade era a mudança de regime. O mandato de Wisner era instruir Mubarak a não renunciar, contribuindo dessa forma para desencadear uma atmosfera de caos social e incerteza, sem mencionar a deliberada desestabilização do sistema monetário do Egipto resultante dos milhares de milhões de dólares de fuga de capitais.

Frank G. Wisner II não é um diplomata americano comum. Ele é membro de uma bem conhecida família da CIA, filho de um dos mais notórios espiões dos EUA, o falecido Frank Gardiner Wisner (1909-1965).

O seu pai dirigiu o OSS (Office of Strategic Services) no Sudeste da Europa durante a Segunda Guerra Mundial. Depois da guerra, ele foi posto como responsável de um certo número de operações de inteligência que sob muitos aspectos estabeleceram o modus operandi da CIA. As suas responsabilidades incluem entre outras coisas propaganda, sabotagem, desinformação através dos media, etc. Foi ele o arquitecto da Operação Mockingbird, um programa da CIA que consistiu em infiltrar os media tanto dos EUA como do estrangeiro.

Em 1952, Wisner tornou-se chefe do Directorado de Planos da CIA, com Richard Helms como seu chefe de operações. (Ver Frank Wisner – Wikipedia , a enciclopédia livre) . Também foi o cérebro por trás do golpe promovido pela CIA que derrubou o governo de Mohammed Mossadegh no Irão, abrindo caminho para a instalação de Mohammad Reza Shah Palavi como “Imperador” e chefe de estado fantoche.

por Michel Chossudovsky

07/Fevereiro/2011

The CRG grants permission to cross-post original Global Research articles on community internet sites as long as the text & title are not modified. The source and the author’s copyright must be displayed. For publication of Global Research articles in print or other forms including commercial internet sites, contact: crgeditor@yahoo.com

Global Research Articles by Michel Chossudovsky

Fonte: http://www.provafinal.net/?p=1570