Conheça os "Black Blocks": Os falsos manifestantes Illuminati

16/11/2010 01:50

Com a cimeira da NATO em Lisboa, as forças de segurança portuguesas dizem-se preocupadas com as manifestações do Black Block.

Autoproclamados anarquistas, vestidos de negro, cara tapada, semeiam uma onda de destruição após cada manifestação.

Quem são? Como se organizam? Quem os financia?

Origem:

Foi depois da manifestação anti-mundialização de Seattle, em 1999, que os Black Block adquiriram notoriedade. Este termo foi criado pela polícia alemã, nos anos 80, para designar os ocupantes ilegais de casas e que se revoltavam contra a polícia de forma violenta nas ruas.

Composição:

Zurique, 1º de Maio de 2003. Como todos os 1ºs de Maio, um pouco por toda a Suíça, as várias manifestações tornam-se violentas. Vários carros incendiados, lojas danificadas e vários feridos. De tão habitual, tornou-se banal, quase normal.


Na origem destes confrontos está um movimento mal definido de manifestantes vestidos de negro e de cara tapada: o Black Block. Objectivo principal além de criar o caos, é obrigar a polícia a agir e desencadear o confronto.
No dia seguinte, 2 de Maio de 2003, várias pessoas foram presas e a polícia faz o balanço. 88 pessoas dos Black Block presas: 69 de nacionalidade suíça dos quais mais de metade não vivia no cantão de Zurique. 7 pessoas da região dos Balcãs, 4 italianos, 3 alemães, 2 turcos.

A pergunta imediata é: como se contactaram, organizaram e financiaram para vir de tão longe?

De assinalar igualmente a idade dos participantes: 5 tinham menos de 15 anos (!), 33 idades de 15 a 18 anos. Apenas 7 tinham mais de 25 anos.

Pode-se falar aqui de ideologia política ou será pura delinquência?

Estructura:

O Black Block é um movimento de mobilização anarquista, libertário, antifascista, com um misto de feminismo, de luta contra a sociedade patriarcal, de oposição à mundialização e até de libertação animal. Na realidade este movimento não tem uma organização piramidal e estruturada. Espalhados pelo mundo entram facilmente em contacto uns com os outros através da facilidade de comunicação criada pela internet.

Vestem-se preferencialmente de negro como símbolo anarquista. Tapam a cara para proteger a identidade, dado que as forças policiais frequentemente filmam as manifestações. A violência faz parte da sua acção, dizem, não pelo simples prazer de destruir, mas como o símbolo de natureza política dos seus actos. A destruição incide sobretudo sobre os edifícios sede de grandes empresas multinacionais.

O Black Block não é representativo dos movimentos anarquistas em si, é uma forme de organização temporária para uma determinada acção. Acusam os pacifistas que condenam as suas práticas de defender o sistema e as suas desigualdades.A sua estrutura em pequenos grupos com as mesmas afinidades, facilita a sua mobilidade, o que permite "desarmar" as forças policiais habituadas a controlar grupos de manifestantes organizados e interdependentes.

 Dúvidas:

Muitos dos participantes nos movimentos dos Black Block são conhecidos das polícias. Muitos observadores acusam as próprias forças de segurança de os deixamrem infiltra-se no seio de manifestações pacíficas para depois ter a desculpa de actuar. Esta prática enfraquece o efeito desses movimentos pacíficos, desnaturando as suas intensões e associando-os à violência dos Black Block.

Ao abafar os movimentos pacifistas e ao focalizar a violência das manifestações, os estados justificam as medidas securitárias que vão tomando, assim como as restrições da liberdade.

Muitos dos manifestantes dos Black Block são autênticos profissionais das manifestações cujo financiamento permanece obscuro.Sempre presentes nas reuniões do G8, G20 ou NATO, nunca os vimos nas reuniões "secretas", como as de Bilderberg, onde são tomadas as verdadeiras decisões económicas e politicas. Porquê?

*Sem dúvida: Eles são Illuminati!

Fonte: http://octopedia.blogspot.com/