Funcionário da limpeza do Golfo do México denuncia: Estamos ficando doentes

30/07/2010 00:01

Trabalhadores da limpeza, limpando óleo na costa.

O trabalho para limpar os milhões de galões de petróleo no Golfo pode ser perigoso, e um trabalhador nos disse que ele foi testemunha de doenças, lesões e condições inseguras de trabalho.
Jarred Bourgeois é o engenheiro da tripulação de um navio que transporta o pessoal e suprimentos para os trabalhadores no Golfo, um trabalho muito diferente do que tinha quando começou o vazamento.
“Eu estava trabalhando para outra companhia. Eu comecei por aqui. Eu estava trabalhando no derramamento de petróleo, puxando as retrancas. Muito tedioso. E muito chato. Não é o melhor emprego do mundo, mas paga as contas”, Bourgeois disse.
Bourgeois foi atribuído a um barco com três pessoas, trabalhando diretamente na limpeza do óleo. Ele disse que eles estavam na água por semanas. “Nós estávamos lá fora, cerca de 40 dias”, disse ele.
Na época, ele trabalhava perto do local Horizon Deepwater onde o petróleo bruto era mais grosso e mais frescos. Ele disse que as condições da água são particularmente . “É muito mais espessa, em seguida, que você vê na TV. É muito pior. É em toda parte. O cheiro é ultrajante.
Pessoas (estavam) ficando doentes o tempo todo. Eles realmente não lhe dizem o que está acontecendo, porque as pessoas estão ficando doentes , mas eles eram pessoas MedEvac-ing de esquerda e direita “, disse Bourgeois. “Eu pessoalmente estava tendp dores de cabeça e me sentindo mal.
É muito diferente do que você vê sentado em casa, na frente da tv.” Quando perguntado se era fumaça do óleo ou a dispersantes que estavam fazendo as pessoas doentes, Bourgeois disse que ele não podia ter certeza. “Eu não estava muito à volta do dispersantes para dizer a diferença, mas poderia ter sido um ou o outro”, disse ele.
De abril a meados de julho, os relatórios do governo federal 571 casos de doença e 757 lesões relacionadas à contenção de derramamento de óleo e do trabalho de limpeza.
Os problemas mais comuns, segundo a Administração de Saúde e Segurança, foram pequenos acidentes ou doenças relacionadas ao calor. Mas o registro oficial de eventos médicos inclui inúmeros relatos de tonturas, desmaios e preocupações sobre a exposição a vapores químicos, com dezenas de trabalhadores levados para o hospital para avaliação ou tratamento. “Eu não sei o que o petróleo pode fazer com você e para todos.
Eu sei que nós trabalhamos lá por 30 dias e nem mesmo nos deixaram usar equipamentos de proteção”, disse Bourgeois. “E quando eles nos contaram, o equipamento era bastante extenso, respiradores, e nós trabalhamos 30 dias com nada”.
Bourgeois disse que havia um monte de desconhecidos quando se trata de trabalhar diretamente com o petróleo. Ele chamou as condições do seu antigo emprego eram inquietantes, como a empresa se esforçavam para lidar com um vazamento sem precedentes.

 

fonte: http://www.agendabilderberg.co.cc/ciencia-e-tecnologia/66/as-pessoas-estao-ficando-doentes-diz-trabalhador-da-limpeza.html 

http://paisdaelitenews.wordpress.com/2010/07/29/as-pessoas-estao-ficando-doentes-diz-trabalhador-da-limpeza-no-golfo-do-mexico/