Grávida perde bebê após tomar vacina da gripe H1N1

07/05/2010 15:31

Jovem gestante perde bebê após tomar vacina da gripe H1N1 em posto de saúde de Jaru. Núbia Presly Feitosa de 18 anos, estava gestante de oito meses, e tudo corria muito bem. Porém quando recebeu a dose da vacina contra o vírus da gripe suína, no dia 22 de março, aplicada no posto de saúde Osvaldo Cruz, a mesma a partir de então começou a passar muito mal. Sentindo contrações, calafrios, inchaço no braço, dores de cabeça, dormência e diversas outras reações. Ao procurar um médico, foi atendida pelo Dr.Carmelia, e este a informou que aqueles sintomas seriam reações normais da vacina.
Durante 12 dias Núbia sofreu com estes sintomas. E no dia 04 de abril, ao perceber que algo estaria errado resolveu procurar o Hospital São Camilo para realizar um ultra-som, onde foi constatado que o feto estaria correndo risco, pelo fato de que o liquido amniótico havia secado, sendo aconselhado a gestante que fosse rapidamente para uma unidade hospitalar da capital, já que seu caso inspirava cuidados.
Mas ao procurar o hospital municipal para providenciar sua transferência, Núbia entrou em trabalho de parto, dando a luz a Breno Eduardo de quase 3 kg, que viveu somente um minuto após o seu nascimento.
Muito embora as autoridades neguem veementemente a atribuição do aborto à aplicação da vacina, Núbia deixou bem claro que ao tomar a vacina no posto de saúde, não foi adotado pelos profissionais da área o critério recomendado pelo ministério da saúde. Que seria o seguinte: “A vacina aplicada em mulheres grávidas deve ser sem adjuvante (substância imuno-estimulante) que produz maior quantidade de anticorpos, o que poderia causar aborto”.
A redação deste site em contato com cerca de 10 mulheres que tomaram a vacina, 100% delas nos relataram que os profissionais de saúde não realizaram nenhum tipo de pergunta a elas, sobre possível gravidez, realizando aplicações indiscriminadamente.
Em contato com secretário de saúde do município Iram Cardoso, este nos informou desconhecer estas particularidades da vacina, dizendo que o município apenas realiza a aplicação da vacina enviada pelo Governo Federal. Relatando ainda que a pessoa mais indicada para dar esta resposta seria Magno Borges, que não foi localizado pela nossa equipe.
Núbia aguarda o resultado do exame de sangue coletado do bebê, que foi encaminhado a capital para análise que comprovará qual foi a causa da morte.
Uma recomendação importante é; certificar-se de perguntar no posto ou na clínica se ela é a imunização destinada especificamente às grávidas, por não conter adjuvantes, conforme a recomendação do governo brasileiro. Confira no site do MS (http://www.vacinacaoinfluenza.com.br/site/conteudo/gestantes.asp)

Fonte: www.anovaordemmundial.com e Jarú On-line: Grávida perde bebê após tomar vacina da gripe suína