Príncipe Charles fala sobre redução populacional em discurso citando escritores cristãos

18/07/2010 01:08

Os Illuminatus ainda desejam acabar com o "gado". Depois de David Rockefeller e Bill Gates, agora é o herdeiro da Coroa britânica luciferiana, onde fala abertamente sobre redução populacional.

14 de junho de 2010 (Notícias Pró-Família) — O Príncipe de Gales foi duramente criticado depois de usar um discurso sobre o islamismo e o ambientalismo como oportunidade para pedir uma redução no índice de natalidade do mundo, principalmente entre muçulmanos.

Mas o que atraiu a fúria de alguns comentaristas é que momentos depois de fazer suas declarações polêmicas, o príncipe citou os famosos escritores cristãos C.S. Lewis e G.K. Chesterton em apoio da tese de seu discurso.

O Dr. Dave Beresford, entomologista da Universidade de Trent em Ontário e especialista em G.K. Chesterton que escreve para a Revista Gilbert da Sociedade Chesterton, disse para LifeSiteNews.com que, “Citar Chesterton para apoiar algum programa de controle populacional é inteiramente errado”. Aliás, disse Beresford, os escritos de Chesterton transbordam de argumentos convincentes contra o controle populacional, um fato do qual o Príncipe Charles parece estar totalmente ignorante.

O príncipe ostensivamente colocou seu tratamento das questões populacionais no fim de seu discurso de uma hora, que marcou o aniversário de 25 anos do Centro de Estudos Islâmicos de Oxford, do qual ele é patrono.

O tema geral do discurso foi uma chamada para voltar à “tradição”. Tal medida foi apresentada como meio de combater “o desejo voraz do Ocidente de obter incessante crescimento econômico” e a “abordagem mecanicista e reducionista para com nossa compreensão científica do mundo ao redor de nós”.

Mas antes de finalizar o discurso o príncipe disse que havia “uma questão final que tenho de mencionar”.

“Para onde quer que se olhe, a população do mundo está aumentando rápido”, disse ele. “Está crescendo o equivalente da população inteira do Reino Unido todos os anos — o que significa que este nosso planeta pobre, que já luta para sustentar 6.8 bilhões de pessoas, terá de alguma forma de sustentar mais de 9 bilhões de pessoas dentro de cinqüenta anos”.

O príncipe disse para sua audiência que eles deveriam “aceitar o fato com mais honestidade do que aceitamos o fato de que uma das maiores causas dos elevados índices de natalidade permanecem culturais” — uma referência clara ao elevado índice de natalidade entre os muçulmanos.

Então, ao concluir seu discurso, o Príncipe de Gales citou o que Chesterton disse: “o desenvolvimento verdadeiro não é deixar as coisas para trás, como numa estrada, mas tirar vida delas como uma raiz”. Ele também mencionou a famosa declaração de C.S. Lewis em Mere Christianity (em português, Cristianismo Puro e Simples), de que “às vezes temos de fazer os ponteiros do relógio voltarem atrás se está mostrando a hora errada” e “voltar atrás pode às vezes ser o jeito mais fácil de ir para frente”.

Mas nem todos estão impressionados com a mensagem do príncipe ou com a ilustre companhia intelectual com que ele está andando. Ao lhe pedirem um comentário especificamente sobre as declarações do príncipe acerca do índice de natalidade, Steve Mosher, presidente do Instituto de Pesquisa Populacional e especialista em questões demográficas, simplesmente gracejou: “O Príncipe Charles deveria tratar somente de assuntos em que ele é bom, como entregar prêmios em partidas de críquete e pólo”.

Entretanto, Beresford especificamente discordou do uso que o príncipe fez de Chesterton, dizendo para LifeSiteNews.com que no começo do século XX o escritor inglês teria ficado chocado de ser invocado num discurso defendendo o controle populacional.

“A contribuição importante de Chesterton para a crítica social é seu argumento contra o controle populacional. Essa é possivelmente sua contribuição mais importante”, disse Beresford.

Em 1925 Chesterton escreveu uma introdução ao livro A Christmas Carol (Um Cântico de Natal) de Charles Dickens em que ele disse que “A resposta para qualquer um que fala sobre excesso populacional é perguntar-lhe, se ele é parte do excesso populacional; se não, como ele sabe que não é”.

Em outro escrito, num artigo intitulado “Social Reform vs. Birth Control” (Reforma Social versus Controle da Natalidade), Chesterton argumentou que tipicamente é a elite rica que tem interesse em promover o controle populacional como solução para a pobreza, muitas vezes como simplesmente um meio de evitar lidar com os problemas raízes mais difíceis que levam à pobreza.

“Se [o promotor de controle da natalidade] pode impedir seus empregados de terem famílias, ele não precisará sustentar essas famílias. Por que ele deveria?” escreveu Chesterton. “O senhorio ou empregador diz em seu estilo sincero e agradável: ‘Você realmente não pode esperar que eu prive a mim mesmo do meu dinheiro. Mas farei um sacrifício. Privarei a mim mesmo de seus filhos’”.

Beresford reiterou que “Chesterton dedicou sua produção literária inteira a celebrar a vida como boa e a lutar contra ideias como o controle populacional”.

Em referência às declarações do Príncipe Charles, ele disse: “É uma infelicidade que um dos principais beneficiários da moderna economia industrial e assim um dos homens mais ricos do mundo tenha de recorrer a um artifício antiquado de culpar os pobres por todos os males do mundo”.

fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com/2010/06/discurso-de-controle-populacional-do.html e http://paisdaelitenews.wordpress.com/2010/07/10/discurso-de-controle-populacional-do-principe-charles-sai-mal-ao-fazer-referencia-a-chesterton-e-c-s-lewis/